Postado por : ShadZ Apr 3, 2020

A razão por trás do ímpeto


Miriam checava o mapa uma última vez para não errar o caminho até o próximo local da Batalha da Fronteira. A garota se encontrava em uma bifurcação na rota, e não estava com o mínimo de vontade de se perder de novo. A pequena Mudkip estava repousando sobre sua cabeça. Nos últimos dias a treinadora resolveu mantê-la fora da Pokéball por mais tempo para que pudessem ganhar mais afinidade. Parecia estar funcionando, pois a anfíbia era dócil e bem fácil de lidar.

Com mais alguns poucos metros andados lá estava a Arena da Batalha, um dojo no meio da floresta, construído com uma arquitetura bem antiga, da época em que os grandes guerreiros de Ransei travavam batalhas para expandir seus Impérios. Não havia guardas na entrada, apenas uma trilha de cascalhos margeada de ambos os lados por um jardim zen sombreado por grandes bonsais. Um lugar que poderia ter sido cenário de um filme, e que outras pessoas não acreditariam ser de verdade.

Miriam sentiu uma ligeira sensação de paz ao entrar naquele lugar, a brisa até mesmo parecia mais fresca do pórtico torii para dentro. Ao chegar na escada que dava acesso à varanda da construção, Miriam notou um aviso que pedia para que os visitantes e desafiantes retirassem seus calçados antes de entrar no local, e assim o fez.

Na parte de dentro um vasto tatami se estendia aos quatro cantos do salão, com uma parte mais elevada para quem estivesse lá apenas para assistir as batalhas. Nessa área em específico duas mulheres trajadas em roupas de treino ministravam uma aula de artes marciais para algumas pessoas que repetiam os mesmos movimentos que as duas faziam.

Uma delas, que possuía cabelos loiros e olhos azuis bem claros, foi quem percebeu a entrada de Miriam e caminhou até ela enquanto a outra, de cabelos e olhos rosados, continuou a passar as lições.

A loira era bem baixa, mas sua expressão era a de quem tinha bastante energia. Miriam não sabia ao certo o que esperar daquela pessoa, mas o sorriso em seu rosto indicava animação em ver mais alguém adentrar aquele dojo.

— Veio um pouco atrasada! A aula da Maylene já começou, mas ainda dá tempo de pegar bastante coisa — a garota apontou para uma porta em um dos cantos do salão. — O vestiário feminino é naquela porta.

Miriam ficou encarando a loira com uma expressão confusa. Só então a anfitriã percebeu que não se tratava de alguém que viera para a aula.

— Se você não veio para a aula, então...

— Eu achei que aqui fosse um dos locais da Batalha da Fronteira — disse a treinadora, um pouco sem jeito.

— OH, MAS É CLARO! — a loira disse bem alto em tom de animação, assustando Miriam. — Foi mal! Eu não recebo desafiantes aqui já faz um tempo! Eu me chamo Greta — ela então fez uma pose extravagante de luta — e sou conhecida como a Magnata da Arena!

Miriam e sua Mudkip trocaram olhares sem entender nada do que se passava ali. Como aquela garota hiperativa e tão jovem poderia ser um Cérebro da Fronteira?

— EU SOU UMA GUERREIRA COM O ESPÍRITO DE UM INCINEROAR FLAMEJANTE ME FRITANDO POR DENTRO! SE QUISER IR EMBORA AGORA APROVEITE, DEPOIS QUE ACEITAR LUTAR COMIGO NÃO TERÁ MAIS VOLTA!

— Talvez se não fosse pela parte do “fritando por dentro” teria sido uma boa apresentação — Miriam exibia um sorriso sarcástico enquanto falava.

— Ah, é? — Greta arqueou uma das sobrancelhas. — Você fala como se fosse especialista em apresentações. Quem é você mesmo?

Miriam começou a abafar uma risada contida. Em seguida estendeu um dos braços na direção de greta, quase tapando o próprio rosto com a outra mão enquanto fazia uma pose heroica e dramática ao mesmo tempo.

— Se não me conhece ainda, vai me conhecer depois que eu sair daqui com o seu Símbolo da Fronteira e sua dignidade. Trema perante o seu revés de ter que enfrentar aquela que irá suceder Surge como a maior treinadora que Vermilion já mostrou ao mundo. RÁPIDA COMO UM RAICHU FURIOSO, EU, MIRIAM, TE DESAFIO PARA UMA BATALHA ATÉ A MORTE!

Greta ficou calada observando sua desafiante. Miriam exibiu um sorriso triunfante, praticamente com a certeza de que havia vencido o primeiro confronto.

— Surpresa com minha habilidade de ser incrível?

— Não, só te achei doida mesmo — respondeu a lutadora, deixando Miriam emburrada. — Mas gostei de você. Espero que todo esse seu falatório não seja só fachada. Eu aceito seu desafio, e vamos batalhar assim que a aula terminar, já que esse dojo também é o nosso campo de batalha.

• • •

— Já faz um bom tempo desde que nos encontramos para falar sobre esse assunto.

Steven remexia a colher de açúcar em uma xícara de café que havia acabado de ser servida. Roxanne estava sentada ao outro lado da mesa, aguardando o que o Campeão tinha a dizer em seguida.

— Perdão por não ter dado continuidade antes à nossa missão. Essa entrada na Elite me tomou muito tempo. Precisei desses meses para poder me adaptar e conciliar a vida nova com as atividades que eu já tinha antes.

— Não tem problema. Enquanto isso eu pude cuidar da maior parte das pendências que eu tinha. Mas como vão as investigações? Alguma novidade?

Steven olhou tudo a sua volta. A sua sala no prédio da Corporação Devon estava vazia, tendo apenas ele mesmo e Roxanne lá dentro. Do lado de fora, no corredor, não escutava passos ou vozes, dando a entender que também não havia movimento ou alguma presença que pudesse comprometer a privacidade daquela reunião.

— Eles vão começar a se mexer — disse o Campeão, tomando todo o cuidado para não falar alto. — A Team Magma parece ter uma rivalidade com a Team Aqua. Após o ataque da segunda facção ao Museu Oceânico de Slateport na semana passada, os Magmas parecem ter tido algum tipo de prejuízo estratégico. Agora eles estão desesperados para tomar alguma ação rápida.

— Entendo — Roxanne colocou a mão no queixo em um gesto de reflexão. — Aparentemente a Team Aqua obteve sucesso nesse ataque em Slateport. Mas é difícil dizer, pois apenas vandalizar o museu não parece ter rendido frutos.

— Você está pensando o mesmo que eu, Roxanne?

— Você me fez essa pergunta da última vez que estivemos aqui. Mas acho que dessa vez também estou sim — a acadêmica riu de leve enquanto bebia um pouco do café. — Imagino que eles tenham criado uma distração no museu para limpar o caminho para um objetivo que eles tinham na cidade. Mas o que seria?

Ambos ficaram em silêncio enquanto tentavam encontrar alguma pista que pudesse dar a eles a resposta. Steven era quem mais se preocupava com aquela situação. Não podia permitir que logo em seu mandato como Campeão de Hoenn aquelas facções fizessem o que bem desejassem. Durante a liderança de Drake e Wallace nenhum relato de desordem por parte das organizações foi levantado, e não era agora que eles seriam permitidos a executar seus planos.

— Eu vou ver se consigo contato com a Polícia Internacional. Eles estão encarregados das investigações em Slateport, e a chefe do Departamento de Inteligência é um Cérebro da Fronteira — Steven começava a folhear uma agenda de contatos que tinha guardada na gaveta de sua escrivaninha.

— Anabel — Roxanne concluiu. — Mas será que ela estaria disposta a aceitar a nossa ajuda?

— Não creio que será problema. Para combater organizações que atuam com Pokémons um reforço vindo da Elite e de líderes de ginásio seria muito bem vindo para eles.

— Quando você diz “Elite e líderes de ginásio” faz parecer um exército inteiro indo resolver o problema. Mas de treinadores mesmo somos apenas nós dois.

— Por enquanto. Mas em breve eu sei que teremos ajuda.

• • •

A aula de Maylene havia terminado. O dojo estava quase vazio, apenas algumas pessoas ficaram para ver a renomada mestra em Pokémons lutadores, Greta, em ação. Miriam continuava afagando sua Mudkip. A Cérebro da Fronteira percebeu.

— Mudkip é seu inicial então? Conheço um cara que pegou um também. E tem um Typhlosion ainda por cima. Já faz uns anos que ele compete com a gente.

Miriam logo percebeu que a pessoa a quem Greta se referia poderia ser Ethan, pois não lembrava de ter visto mais ninguém com um Typhlosion em Hoenn. Porém, preferiu não comentar que o conhecia.

— Na verdade eu já vim pra Hoenn com outros Pokémons. Não daria pra enfrentar a Batalha da Fronteira sem um time mais avançado. Essa Mudkip eu ganhei depois que vim pra cá, mas ela ainda não está totalmente treinada para uma batalha de alto nível.

— Bem, eu acho que tenho uma solução. Eu também recebi um Pokémon novo há pouco tempo, foi a própria Maylene quem me deu. Pelo mesmo motivo que você eu não o utilizei em alguma batalha. Que tal usarmos os dois, assim podemos dar a eles uma experiência em batalha real.

— Mas não pode ocorrer deles enfrentarem um Pokémon de nível mais alto?

Greta parou por um instante para raciocinar sobre o assunto. Não demorou muito até que a garota tivesse a resposta para aquele problema.

— Façamos o seguinte. Serão batalhas independentes, uma melhor de três. Dessa forma, quem vencer duas rodadas será a vencedora. Caso haja empate nas duas primeiras, uma terceira rodada com outros Pokémons será realizada como desempate. Assim poupamos nossos Pokémons novos de batalhar contra adversários de nível alto. O que me diz?

Miriam parecia animada em poder utilizar a Mudkip em um confronto. As duas vinham treinando duro há um tempo, mas tiveram poucas oportunidades de batalhar. A Batalha da Fronteira não era como os ginásios de uma Liga Pokémon, onde os treinadores enfrentavam os líderes usando times condizentes com seu próprio nível. Apenas algumas batalhas contra novatos em rotas foram feitas. Mudkip estava invicta, muito mais pela experiência de sua treinadora do que a dela própria. Estava na hora de dar à anfíbia um desafio de verdade.

— Eu topo — disse Miriam com um sorriso, enquanto a Mudkip demonstrava euforia em seu colo.

— Era isso que eu queria ouvir! — Greta vibrou. — Maylene, faz as honras de ser a juíza de batalha?

— Com todo o prazer. Vai ser ótimo ver uma batalha oficial da Fronteira antes de voltar pra Sinnoh.

As duas treinadoras se posicionaram em seus lados da arena de batalha. Greta já estava com a sua Pokéball em mãos. Miriam já tinha a Mudkip posicionada em campo, apenas aguardando para ver quem seria o adversário. Greta fez questão de lançar seu primeiro parceiro na arena para dar início àquele confronto.

— Ter um Pokémon lutador de Sinnoh no meu time vai ser ótimo pra confundir os desafiantes. Riolu, é contigo!

A criaturinha canina foi liberada no campo de batalha. Ele mesmo parecia surpreso em ser convocado para uma batalha oficial, mas se manteve paciente aguardando a entrada da Mudkip, que já estava fora de sua Pokéball e teve apenas que se deslocar para seu lado da arena, logo a frente de Miriam.

Maylene se dirigiu à linha que dividia o campo ao meio. Com uma bandeira em cada mão, a líder ergueu os braços para sinalizar que as treinadoras deveriam se manter alertas a partir daquele ponto.

— Esta é uma partida oficial da Batalha da Fronteira. A Magnata da Arena Greta recebe a desafiante Miriam em uma batalha melhor de três, onde cada Pokémon só participará de um único round, independente de sair vitorioso ou derrotado. A primeira a garantir a vitória em dois rounds será considerada a vencedora. Eu, Maylene, líder do ginásio da cidade de Veilstone, afiliada oficialmente à Liga Pokémon de Sinnoh, serei juíza e testemunha oficial da realização desta batalha — a lutadora então desceu os dois braços com rapidez, levando as bandeiras para baixo. — COMECEM!

O Riolu se posicionou em guarda, alerta para qualquer movimento de Mudkip. Ele era bem jovem, mas já agia com muita maturidade em batalha. Era evidente que seu treinamento com Greta havia sido de alto nível.

A Mudkip, no entanto, não se intimidou com a postura imponente de seu adversário. A pequena Pokémon aquática tinha uma expressão suave, como se ela sequer tivesse compreendido que aquele era um momento importante. Parecia até mesmo distraída com qualquer coisa que não fosse aquele confronto.

— Ei — o Riolu tentou chamar a atenção. — Se concentra! Estamos no meio de uma batalha.

— Esse lugar é bonito — A Mudkip mais parecia estar falando sozinha, ignorando por completo o Riolu, enquanto olhava para o teto com um sorriso disperso, até que percebeu a presença do seu oponente. — Oi, eu sou a Niani!

— Quê? — o Riolu começou a se deixar levar pelo nervosismo, pois não esperava uma adversária querendo apenas interagir e não sabia como reagir a isso. — É... Eu sou Olin. Por que você está se apresentando? Viemos aqui para batalhar, e não interagir!

— Ah, é verdade! A gente tem que batalhar. Certo, certo — a Mudkip fez uma longa pausa. — Por que mesmo?

Greta e Miriam encaravam a cena, a Cérebro da Fronteira confusa e a desafiante constrangida.

— Err... Tudo ok com sua Mudkip?

— Sim, sim, ela só é meio lerda mesmo — Miriam cobria o rosto com uma das mãos. — Mudkip, meu amorzinho, faz um favor e foca na batalha, sim?

Mudkip levou alguns segundos olhando para sua mestra, e se virou devagar para o Riolu.

— Acho que a gente vai ter que batalhar mesmo.

— Jura? — o lutador já começava a perder a paciência. — Se prepara, porque eu não vou pegar leve!

Olin pegou impulso e saltou em direção à Niani já desferindo um Force Palm para tomar a dianteira da batalha. A anfíbia se esquivou por muito pouco, o que já demonstrava que em um confronto de velocidade o Riolu levaria a melhor, talvez até com certa facilidade.

— Não dê espaço para ele se movimentar, pressione com Water Gun! — o comando de Miriam foi rápido, pois ela sabia que neutralizar o ponto de vantagem do oponente era a chave para conseguir vencer a batalha.

O jato d’água foi potente, surpreendendo Greta e Olin que não esperavam um ataque com tanta pressão vindo daquela pequena Mudkip ingênua. A mestra daquele dojo já começava a perceber os primeiros sinais de que sua treinadora era mais experiente do que aparentava. Só isso explicaria um Pokémon que começou seu treinamento há pouco tempo ter um ataque tão bem executado.

O Riolu foi atingido pelo tiro certeiro e lançado para trás. O dano não foi tanto, apenas a força do impacto o derrubou e o mesmo não teve nenhum esforço em se levantar. Voltou a subir a guarda, desta vez com os olhos fixados em Niani para não ser surpreendido de novo.

— Parece que você não é tão inofensiva assim — Olin deu um sorriso demonstrando empolgação. — Vamos ver como você se defende disso!

Pegando impulso do próprio chão, o canino disparou em direção a Niani em grande velocidade. Quando a Mudkip percebeu o ataque, Olin já estava muito próximo, acertando nela um golpe de corpo que a fez cair para trás. Apesar de não ter ido tão longe o impacto foi forte, e tanto Miriam quanto Niani sabiam que se não fosse pelo atributo defensivo da Pokémon aquática ela estaria em apuros.

— Mudkip, Mud Slap!

O tiro de lama foi disparado em direção a Riolu, mas o comando de evasiva de Greta foi executado no tempo certo. A lutadora então ordenou mais um forte Quick Attack do qual Niani não foi capaz de evitar. Miriam àquela altura já entendia a diferença de força entre os dois monstrinhos.

— Ele não mostra os pontos fracos, é realmente bem treinado... — a garota sussurrava tentando bolar um plano, mas o seu entrosamento ainda baixo com sua parceira dificultava as coisas. — Use o Water Gun novamente!

Mais um forte jato foi disparado, mas dessa vez Riolu não se esquivou. Em vez de fugir Olin se manteve firme para aguentar o ataque sem ser derrubado, o que aconteceu. Greta mostrou um sorriso de canto, já prevendo seu triunfo.

— Agora use o Counter!

Olin disparou para cima de Niani. Ao se aproximar, preparou um golpe jogando sua pata para trás e a lançando com toda força na Mudkip. O dano que ela havia conseguido infligir no oponente voltou dobrado, fazendo com que aquele primeiro confronto tivesse seu desfecho.

— Mudkip fora de combate, Riolu vence e o primeiro round vai para Greta! — Maylene anunciou.

Miriam começava a demonstrar os primeiros sinais de preocupação. A falta de entrosamento que ela ainda possuía com Mudkip não se aplicava à Greta e seu Riolu, por mais que o nível entre os dois Pokémons fosse semelhante. À sua frente não estava apenas um Cérebro da Fronteira, mas também uma treinadora experiente e habilidosa que soube dominar com maestria os métodos de treinamento para o tipo lutador.

Assim como sua desafiante, Greta retornou seu Pokémon para já começar o segundo round. A mestra só precisava de mais uma vitória para garantir o triunfo naquela batalha. Mesmo assim não se deixava levar pela vantagem construída. Sua experiência não permitia que a razão ficasse em segundo plano, mesmo com sua personalidade espontânea.

— Ainda está faltando algo entre você e sua Mudkip, Miriam. Mas apesar disso ela tem um grande potencial. Acredito que se vocês duas trabalharem duro ela será muito forte no futuro. Colocar ela pra treinar com seus companheiros de equipe mais fortes pode ajudar bastante a acelerar o desenvolvimento dela. Foi assim que o Riolu ficou forte tão rápido.

— Obrigada pela dica, eu vou fazer isso — Miriam sacou sua segunda Pokéball. — Mas vou avisando que as coisas daqui pra frente vão ficar mais equilibradas. Esses dois aqui estão comigo há muito tempo. Venomoth, sua vez!

Foi a vez de Shin tomar seu lugar no campo de batalha. A mariposa estava já aguardando a entrada de seu adversário, porém mantendo sua serenidade costumeira. Greta mostrou um sorriso, como quem havia acabado de ler as intenções de sua adversária.

— Inseto e venenoso, provavelmente com algum golpe psíquico. Ela já colocou em campo o Pokémon mais forte que ela poderia usar contra mim, para tentar garantir o empate e levar pro tudo ou nada — a lutadora sussurrou.

A Magnata da Arena não perdeu tempo em revelar seu segundo parceiro. Um enorme Machamp se colocou de frente para Shin, já com seus quatro braços mantendo guarda para iniciar a batalha. O tamanho do lutador era capaz de intimidar até mesmo Pokémons de grande porte. Mesmo assim, Shin se mantinha sereno, aguardando apenas que Miriam começasse a comunicar as estratégias.

Após o sinal positivo de Maylene o segundo round teve início. Machamp não esperou e já tentou acertar um Vital Throw logo de início. Miriam começava a perceber que Greta gostava de tomar a iniciativa nas batalhas, atacando sempre primeiro. Sob o comando de Miriam, Shin contra-atacou levantando uma barreira de esporos com o Poison Powder.

Machamp, no entanto, passou tão rápido pela cortina venenosa que sequer sofreu algum efeito, acertando o Venomoth com bastante agressividade, tendo Shin sido salvo pela sua tipagem altamente resistente contra golpes do tipo lutador.

— Aguenta firme, Venomoth! — Miriam já tratou de aproveitar a proximidade de seu oponente para comandar o próximo ataque. A velocidade agora atuava a favor de seu Pokémon. — Use o Aerial Ace!

Sem ter para onde esquivar, Machamp só teve tempo de tentar se proteger fechando a guarda para minimizar o dano crítico que receberia daquele ataque. Venomoth passou tão rápido que só podia ser visualizado como um borrão lilás pelas pessoas que estavam presentes no dojo. Mesmo com a postura defensiva de quem aguardava aquele golpe, Machamp não foi capaz de manter o próprio equilíbrio e caiu para trás fazendo o local tremer de leve com o impacto de seu corpo no tatami.

— Machamp, tudo bem aí? — Greta perguntou preocupada, suspirando aliviada ao receber um sinal positivo do Pokémon.

Miriam notou que estava começando a ganhar o controle da batalha ao ver Greta demonstrando seus primeiros sinais de insegurança, ainda que fossem discretos. A garota sentia o momentum começando a mudar para o seu lado, mas também sabia que era necessário ser mais agressiva para garantir logo o round, antes que Greta recuperasse o controle.

— Machamp, ataque com o Cross Chop!

— Contra-ataque com Psychic!

Machamp já começava a correr até Venomoth quando foi imobilizado no meio da arena sendo envolto por uma aura púrpura. O lutador então foi arremessado para fora do dojo, rompendo até mesmo parte da parede de madeira revestida com papel da construção de arquitetura oriental.

Até mesmo Maylene demorou a dar o veredito daquele round, impressionada com a cena que havia acabado de presenciar. Não era tão comum ver um Pokémon como Machamp, conhecido pela sua força e tamanho, sair voando do campo de batalha daquele jeito.

— Uau — disse a líder de ginásio, ainda sem saber como reagir. — É... Ok, Venomoth derrota Machamp e a desafiante Miriam vence o segundo round. A batalha está empatada!

— Como eu suspeitava, a questão entre você e sua Mudkip era mesmo falta de entrosamento — disse Greta ao voltar para a arena após ter ido até o lado de fora retornar Machamp para a Pokéball. — Eu tive mesmo a impressão de que você é dura na queda, mas admito que eu me surpreendi com esse seu Venomoth. Parabéns.

— Agradeço o reconhecimento — a desafiante já pegava sua última Pokéball para a batalha. — Mas eu tô tendo que dar duro aqui hoje. A Batalha da Fronteira é mesmo impressionante.

— Fico feliz em ouvir isso — Greta sacou o último Pokémon que usaria naquela batalha. — Pronta para resolver isso de uma vez por todas?

— Vamos!

Em poucos segundos a impressão que se tinha é que o dojo já não era tão espaçoso quanto antes. Nidoqueen e Hariyama tomaram o campo de batalha para o confronto derradeiro daquela disputa. Os dois trocavam olhares sérios, sabiam que eram chamados para decidir o resultado. Era o desfecho definitivo que estava por vir, e a partir dali qualquer equívoco custaria muito mais caro.

— Dessa vez eu vou começar o round — Miriam tinha um olhar determinado, queria resolver aquela batalha de uma vez por todas. — Nidoqueen, use o Body Slam!

— Hariyama, intercepte com o Fake Out!

Sem sequer tentar se defender da investida de sua oponente, Hariyama desferiu um ataque direto com a palma dianteira no peito de Maggie. A Nidoqueen recuou ao ser interceptada, não conseguindo concluir o seu ataque.

Belly Drum! — Greta continuava dando os comandos.

Hariyama começou a se golpear na altura do estômago. Miriam e Maggie já sabiam o que estava por vir. Elas já tinham visto essa técnica ser usada algumas vezes em batalhas de alto nível, e não estava disposta a ter que lidar com aquele problema por muito tempo.

— Use o Superpower!

Maggie começou a flexionar seus músculos enquanto Hariyama ainda terminava de usar o Belly Drum. Quando a Nidoqueen começou a ser envolta por uma aura azulada foi que a mesma avançou em direção ao lutador e acertou um forte ataque em seu queixo.

O impacto fez o Hariyama, mesmo com todo o seu peso, subir alguns centímetros do chão e cair de costas. Miriam sabia o sacrifício requerido por aquele ataque. Nidoqueen perderia força de ataque e defesa, o que dificultaria ainda mais a luta contra um oponente com seu poderio ofensivo maximizado. Mas era a cartada que ela tinha, e resolveu lançá-la visando terminar a batalha por ali mesmo.

Mas não foi o que aconteceu. Hariyama, ainda que com bastante dificuldade, se levantou ofegante. O ataque foi capaz de atordoá-lo, mas ainda estava de pé. Miriam e Maggie sentiram como se estivessem tentando derrubar uma muralha com marretadas, e mesmo com toda a força que tinham haviam conseguido nada mais que uma mera rachadura.

— Hariyama, não me assusta desse jeito, cara — disse Greta, rindo de nervosismo. — Essa foi por muito pouco, Miriam. Eu tenho que reconhecer você como uma das melhores adversárias que eu já tive. Nunca vi ninguém levantar esse grandalhão do chão como vocês fizeram agora. Foi incrível, de verdade. Mas você usou seu trunfo muito cedo. Sabe a situação em que vocês duas se colocaram agora, não foi?

— Como se a gente fosse desistir só por isso. Nidoqueen está vulnerável a um oponente que pode derrubar uma montanha agora. Mas o seu Hariyama também está caindo aos pedaços. Essa batalha vai ser de quem acertar primeiro o próximo golpe.

Greta se surpreendeu com a resposta dada pela desafiante. Mesmo sabendo que estava em desvantagem, Miriam não se renderia. Ela estava disposta a honrar a si própria e sua equipe, e levaria aquela luta até o fim não importando o desfecho. A Magnata da Arena deu um sorriso muito visível ao ouvir aquilo, e logo se encheu de empolgação. Se sua adversária estava disposta a terminar a batalha em grande estilo, era dever da anfitriã corresponder àquele anseio.

— Hariyama, Reversal!

— Nidoqueen, Body Slam!

A colisão foi tamanha que fez todas as paredes do dojo trepidarem. Algumas pessoas em volta que assistiam a batalha quase perderam o equilíbrio e o chão de madeira abaixo do tatami agora era uma grande cratera onde jaziam dois Pokémons inconscientes, sem que houvesse qualquer pista de qual deles pudesse ter caído primeiro.

Os espectadores estavam chocados. Maylene sem palavras. Greta parecia estar em outro planeta. Miriam estava à beira de um ataque de pânico, não poderia nem imaginar ser declarada derrotada depois de todo o esforço que ela e seus companheiros empregaram naquela batalha.

— A batalha terminou. Como não foi possível identificar o primeiro Pokémon a ser nocauteado eu, Maylene, juíza e testemunha dessa batalha oficial, declaro empate!

Aplausos eufóricos tomaram conta do local. Uma intensa batalha havia se encerrado ali, e seu resultado era ainda mais inesperado. Era raro ver um empate ocorrer daquele jeito, o que só tornava a experiência de quem assistiu de perto ainda mais inacreditável.

Miriam recolheu Nidoqueen para a Pokéball, agradecendo o esforço da sua parceira e aquela que foi seu Pokémon inicial. A garota estava chateada, era visível que ela não se conformava em não ter vencido. No entanto, para sua surpresa, Greta veio em sua direção e a cumprimentou com um grande sorriso.

— Foi fantástico! Isso que eu chamo de batalha! — disse a lutadora enquanto apertava a mão de sua desafiante.


A loira retirou de um dos bolsos de seu kimono o símbolo da fronteira que correspondia ao seu desafio. Quando esticou a mão que o continha para Miriam a garota soltou uma exclamação.


— Mas eu não venci você! Não posso ficar com o símbolo — dizia enquanto tentava afastar a mão de Greta de perto de si, sem sucesso.

— Quem decide se o desafiante é merecedor desse símbolo da fronteira sou eu! — dizia a Cérebro da Fronteira. — E existem coisas mais importantes que a vitória em certos casos. Este é chamado de Símbolo da Coragem, e ao se manter firme em uma situação difícil e buscar o empate em uma batalha que já estava praticamente perdida me convenceu de que você tem o que é necessário para ser declarada vitoriosa aqui. Muitos treinadores teriam desistido no momento em que meu Hariyama se levantou após aquele Superpower, e você não fez isso. Você tem muita coragem, e é isso que eu admiro em um grande treinador. Parabéns, o símbolo da fronteira é seu!

Miriam, ainda que de forma tímida, cedeu e pegou o símbolo da fronteira das mãos de Greta. A garota tinha um sorriso de alívio estampado no rosto. Naquela altura já não era mais possível esconder o que sentia. Mas esse sorriso se transformou em constrangimento quando ela viu como havia ficado o dojo a sua volta.

— Ahn... Foi mal pela bagunça.

— Relaxa, o patrocinador vai pagar a reforma. Eles já estão acostumados — Greta ria enquanto dava tapinhas nas costas da garota.


Miriam conquistou seu segundo símbolo da fronteira. Agora só restavam mais cinco Cérebros para superar, entre eles Anabel. A garota, que já ia se encaminhando para a estrada após um bom descanso para recuperar sua equipe, tentava não se preocupar muito com o reencontro com a ex-chefe. Decidiu viver um dia de cada vez e apenas curtir o momento daquela mais nova vitória para seu histórico.

FIM DO CAPÍTULO 23

  


{ 8 comments... read them below or Comment }

  1. Opa Shadow! Otimo Cap! Mudkip ingeniu foi otima, continue assi momor!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Niani é inocente demais kkkkkkkkkk Mas ainda vai virar uma das mais fortes da equipe da Miriam.

      Até a próxima! õ/

      Delete
  2. Shadow... Cade a voz do Machamp? E a do Haryana? Pq esse leitor chamado Anangeom está reclamando? Muita pergunta e pouco comentário...


    Hello sobroso, como estás?


    Adorei a batalha da mudkep e do riolu, ver esses dois interagindo no começo da batalha foi de mais.

    Mais um símbolo da fronteira para Camile hehe mais 5 e ela vai... Nem sei o que, o que ganha se tem os 7 mesmo?

    Acho que é isso Shadow, até o próximo!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Cara, não dá pra ficar criando personalidade pra todos os Pokémons ou eu vou acabar ficando sem ideias kkkkkk Infelizmente alguns terão que ser apenas adversários genéricos.

      A Mudkip, ou Niani para os mais habituados, teve finalmente sua primeira batalha. A estreia dela não teve um bom resultado, mas a experiência terá sido proveitosa no futuro.

      Finalmente, né! Já era hora dela pegar seu segundo símbolo da fronteira. Faltam apenas 5 para que ela cumpra seu objetivo e seja reconhecida como uma treinadora de respeito. Quem vence os sete cérebros é considerado vencedor da Batalha da Fronteira.

      Até a próxima! õ/

      Delete
  3. Oi Shadow!

    Tão bom poder voltar a colocar os olhos sobre as aventuras de Miriam! E olha o quão bem ela está! Gostei muito desse combate. Pouco a pouco, vemos o crescimento desta personagem tão querida para todos. Gostei de ver Mudkip em combate, sinto que o seu desenvolvimento está a ir com calma, porém está a ir por um bom caminho. Achei bastante engraçada a sua personalidade. No fundo, parece um pouco a Camila dos primeiros capítulos da história. Venomoth e Nidoqueen também arrasaram, como de costume! E mesmo terminando em empate, Miriam consegue levar mais um símbolo de fronteira consigo!

    Gostei também da participação de Greta. Apesar de ter parecido um pouco louca no início, revelou-se bem compreensiva e honesta no final. O mesmo vai para Marley. Foi engraçado ver um Líder de Ginásio de Sinnoh por aqui.

    Quanto a essa encontro entre Steve e Roxxane, dá que pensar, não é? Alianças começam a ser formadas para tentar combater essas equipas vilãs. Vamos ver como corre isso!

    See ya my friend!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Sempre é bom ter um pouco mais da Miriam, né? A Rainha de Vermilion faz muita falta no dia a dia da história, então periodicamente vamos acompanhar como está o lado dela também. Dessa vez foi um capítulo que veio pra pancadaria, até porque ela e Greta sendo duas piradas é certeza de batalha explosiva vindo.

      Niani é um amorzinho kkkkkkkkk Dá até pena de fazê-la evoluir pra Swampert que é um puta bichão grosso kkkkkkkkkk Mas vamos com calma que o futuro reserva de tudo. De qualquer forma, Maggie e Shin continuam dando conta do recado.

      A Maylene eu coloquei porque achei interessante ter uma participação especial por aqui. Só isso kkkkkkkkkkkk Mas é porque eu acho ela uma líder de ginásio legal.

      Esse finalzinho com o Steven e a Roxanne já nos dá indícios de que Mauville não vai se limitar apenas à batalha no ginásio do Wattson, não é mesmo? Esse fim de temporada ainda reserva bastante coisa pra nós.

      Até a próxima! õ/

      Delete
  4. Miriam, Greta e Maylene debaixo do mesmo prédio é pedir pra fuder mesmo hein kkkkkkk Pô cara, que batalha maneiríssima! As duas são tão parecidas no jeito de se comunicar que quando uma encontrou a outra e reconheceu isso rolou uma química instantânea, aquele baita respeito mútuo, mesmo que elas jamais admitam em voz alta haha

    Cara, conforme a batalha rolava e eu fui lendo, lendo, me empolgando com as descrições e a pancadaria e talz, de repente rolou uma coisa... assim que Shin e o Machamp entraram em ação, eu notei um detalhe extremamente sutil que fez toda a diferença para mim. Saindo Mudkip e Riolu do combate, a luta seguiu de forma já conhecida. Por mais óbvio e simples que isso pareça, eu achei essa transição sutil e muito bem feita, nada de P.O.V. ou interrupções abruptas, agora eu entendo o que você me falou há muito tempo que queria mesclar dos Pokémon e treinadores atuando dentro do mesmo "núcleo", e funcionou perfeitamente bem. Imagina ter que pensar num nome e background para toooodo figurante que vai aparecer uma única vez? kkkk Haja paciência e criatividade, sem contar que seria meio... inútil, acabamos de sair de uma bela pancadaria no gym do Brawly, e ninguém supera o Oka, o resto dos Makuhitas e Hariyamas são apenas aprendizes!

    O capítulo precisava dar destaque para a estreia da Niani em uma batalha, mas ao mesmo tempo tinha que ser digna de uma batalha de fronteira. Agradou tanto quem queria conhecer mais da personalidade dela quanto quem queria ver uma batalha clássica no estilo Pokémon e estratégias, com direito a Belly Drum e um final épico. Shin e Meggie já são nossos velhos conhecidos, e tudo que queríamos era ver eles descendo soco em geral sem trocação de ideia hahah Uma excelente disputa para mostrar que a Miriam continua com tudo e perfeitamente em forma, belo trabalho!

    ReplyDelete
    Replies
    1. É pancadaria gratuita e ilimitada (ou quase) kkkkkkkkk Eu confesso que a batalha entre a Miriam e o Noland foi meia boca, então tinha que compensar de alguma forma agora. E veio a calhar também que a Greta é uma personagem no estilão garota louca que eu adoro trabalhar, e você sabe disso kkkkkk

      Cara, as coisas não foram planejadas, tirando a participação da Niani na batalha. O resto foi sendo escrito naturalmente, simplesmente fui deixando a batalha tomar seus rumos de forma aleatória. Até por isso eu defini o empate no final, achei que era o resultado mais justo. Tirar a Miriam daquele cliffhanger e dar a vitória a ela de forma heroica quebraria essa naturalidade, e esse é um exemplo prático do que eu te disse lá atrás sobre não usar poder de protagonismo para resolver os problemas aqui kkkkkkkk Se não tiver jeito, ferrou. Tenta na próxima :v

      Criar as personalidades pros Pokémons já está difícil nos líderes de ginásio. São muitos. Imagina com os Cérebros da Fronteira junto! Tem horas que só deixando o time ir pra porrada mesmo, mas pretendo colocar as personalidades dos líderes e cérebros realmente relevantes para o enredo, aqueles que terão participação maior posteriormente.

      Fico feliz que tenha curtido. É bom ver que vocês estão considerando que as batalhas estão evoluindo conforme a história avança. No começo deu um pouco de nervosismo por não estar acostumado a trabalhar dessa forma, mas acho que estou pegando o jeito kkkkkkkkkkkkk

      Até a próxima, bro! õ/

      Delete

- Copyright © 2013 - 2018 Aventuras em Hoenn - Shadow - Powered by Blogger - Designed CanasOminous -