Postado por : ShadZ Apr 10, 2020

Fraqueza exposta


Depois de uma rápida travessia pela pista de ciclismo que cruzava a Rota 110, Ruby e Sapphire já conseguiam ver o topo de alguns prédios no horizonte. Mauville dava seus primeiros sinais de proximidade para os aventureiros enquanto as bikes corriam de encontro à brisa fresca que dava aos dois um ânimo a mais para continuar pedalando mesmo debaixo daquele céu ensolarado, isento de nuvens.

Ser um treinador ou coordenador licenciado em Hoenn tinha suas vantagens como, por exemplo, desfrutar de descontos em vários serviços, como compras na rede de lojas PokéMart e prioridade na reserva de quartos no Centro Pokémon ou em coisas mais simples, como o aluguel das bicicletas que estavam usando naquele momento.

Assim que chegaram ao ponto de saída a dupla já desceu das bicicletas e foram empurrando-as até a porta. Assim que saíram da recepção já deram de cara com a entrada da cidade de Mauville, local onde Sapphire desafiaria o líder de ginásio local pela sua terceira insígnia.

— Depois de fazermos a reserva no Centro Pokémon, nós podemos procurar alguma coisa pra fazer. Sei lá, talvez tomar um sorvete — disse Sapphire.

— Sério? Achei que você já ia largar tudo no quarto e ir correndo pra algum lugar no meio do mato pra treinar pro seu desafio no ginásio — Ruby tinha um leve tom de deboche, sabendo o quanto a amiga andava trabalhando duro nos últimos dias.

— Ah, qual é! Uma hora ou outra a gente precisa de descanso. E eu estava parada sem fazer nada desde que saímos de Dewford. Minha passagem por Slateport foi nula no sentido de progredir no desafio dos ginásios, então só me restava compensar essa “folga” treinando pesado.

— Relaxa, eu só estava brincando. Você tem se esforçado demais ultimamente e eu também não tive descanso por causa do contest. Eu também acho que a gente deveria se divertir um pouco antes de você enfrentar o ginásio.

Depois de uma rápida passagem no Centro Pokémon, onde Sapphire deixou seu Taillow para uma avaliação, já que o mesmo já se encontrava na sua fase final de recuperação, a menina e Ruby saíram à procura de um bom lugar para comerem alguma coisa.

Escolheram uma sorveteria, como combinado logo que chegaram à cidade. O estabelecimento tinha uma pequena varanda onde ficavam algumas mesas, com um guarda-sol para protegê-los naquele dia quente. Lá mesmo eles se sentaram enquanto degustavam a sobremesa.

— Seu Torchic já tem nível para evoluir — comentou Ruby. — Por que ainda não aconteceu?

— Sei lá. Acho que o Pokémon tem que se sentir bem pra isso. E o Torchic ainda não vai muito com a minha cara, ele batalha e vence mais pelo próprio orgulho. Então não quero forçar a barra, vou deixar que ele evolua por conta própria.

— Entendo. Mas você já tem duas insígnias. As batalhas vão começar a ficar mais pesadas agora, o nível vai subindo a cada líder que você derrota. Todos os seus Pokémons estão no primeiro estágio, isso pode acabar te atrapalhando no futuro.

Ruby tinha razão, por mais que Sapphire não quisesse ouvir aquilo. A menina treinava forte com seu time diariamente para poder contornar aquele problema, mas na verdade sabia que cedo ou tarde um Pokémon evoluído seria necessário. Só não queria privá-los de sua liberdade de escolha.

— Eu sei que uma hora eles vão acabar evoluindo. Meu método é esse, deixar que eles saibam quando é a hora. Tenho certeza que no momento certo vai acontecer.

A conversa entre os dois foi interrompida por conta de uma confusão que se formava do lado de fora da sorveteria. Ao saírem às pressas para ver o que acontecia, Sapphire e Ruby perceberam que uma batalha ao ar livre ocorria entre um garoto da mesma idade que eles e um outro um pouco mais novo.

O mais velho tinha cabelos escuros e uma expressão rancorosa no rosto, e usava um Houndour, um Pokémon incomum em Hoenn. O garoto que batalhava contra ele, por sua vez, tinha um Minun que parecia estar seriamente machucado.

— Minun, não vamos nos dar por vencidos — disse o treinador do roedor elétrico.

— Eu já avisei que vocês têm que saber a hora de desistir — disse o rapaz. — Feint Attack!

O golpe foi forte. Minun caiu de forma definitiva, encerrando a batalha. O garoto mais novo tremia em preocupação ao ver o estado de seu Pokémon, sem saber o que fazer. Só queria pegá-lo e sair correndo em direção ao Centro Pokémon. Quando fez a menção, porém, de ir até ele para pegá-lo a voz do mais velho pôde ser ouvida por toda aquela parte da rua.

Fire Fang.

Houndour avançou em direção ao Minun desacordado com suas presas em chamas, pronto para dar um golpe definitivo, mas o mesmo foi interceptado por um Torchic que usou um Sand Attack para atordoá-lo. Sapphire apareceu correndo na frente de Minun e seu treinador com a intenção de acobertá-los para que saíssem dali em segurança.

— Pega ele e vai pro Centro Pokémon imediatamente! Quanto mais cedo você for melhor! — a garota então se virou para o treinador que estava agora a sua frente a encarando com um pesado olhar de desagrado. — O que você pensa que está fazendo? Essa batalha já terminou!

— É mesmo? — o garoto rebateu em tom de provocação. — Eu não me lembro do pirralho ter admitido a derrota, então achei que ele ia continuar.

Sapphire sentiu o sangue ferver naquele momento. A garota não conseguia aceitar que um treinador usasse seus Pokémons para ferir os outros. Ela cerrou os punhos, se contendo para não agredi-lo ali mesmo, mas fez o que era esperado de sua posição como treinadora. Faria justiça da forma correta.

O garoto percebeu que ela gesticulou para que Torchic se colocasse em posição de alerta. Sua expressão imediata foi de impaciência. Ele não tinha vontade nenhuma de continuar batalhando, só queria sair dali o quanto antes.

— É sério isso? Você vai me desafiar para uma batalha? — o rapaz esfregou o rosto em descontentamento. — Escuta, garota, eu não tenho disposição pra lidar com gente que brinca de ser treinador. Vamos fazer o seguinte. Eu vou relevar o fato de você ter interrompido minha outra batalha contra aquela criança idiota e vou deixar você seguir com sua rotina. Só não vem testar minha paciência.

— É óbvio que é sério! Você acha que vai sair impune depois do que tentou fazer com aquele garoto?

— Já que é assim, então tente me dar uma lição. Vou deixar que você comece.

— Não precisa nem dizer! Torchic, use o Peck!

— Houndour, Smog!

Uma densa nuvem de gás tóxico foi disparada na direção do Torchic, que foi forçado a parar o ataque e recuar para não ser pego pelo ataque e sofrer algum risco de contaminação.

— Complete com o Faint Attack!

De trás do véu de poluição Houndour surgiu acertando um ataque furtivo que deixou Dan sem condições de se defender ou esquivar. A diferença de níveis era clara, o canino era muito mais forte que a pequena ave, e a força de seus ataques causava muito mais dano do que se estivessem no mesmo nível. O Torchic tombou para trás, já demonstrando sinais de que não aguentaria aquela batalha por muito tempo.

Houndour prendeu Torchic no chão com suas patas dianteiras. Sapphire estava em choque, nunca havia sido pressionada daquele jeito, nem mesmo em uma batalha contra líderes de ginásio. Ela simplesmente não encontrava maneiras de responder àquela sucessão de ataques.

— Torchic, use o Scratch para tirar ele de cima de você!

Mesmo com suas patas livres o ataque não alcançava a cabeça de Houndour, que era quem ele estava tentando atacar. O garoto já não estava com tanta paciência, e resolveu acabar logo com aquilo.

Dark Pulse.

A proximidade entre os dois fez com que o ataque fosse certeiro e bem mais perigoso. A explosão de energia sombria entre os dois levantou uma nuvem de poeira, dificultando a todos os presentes que se pudesse ver logo de imediato o que havia acontecido. Mas não durou muito tempo até a visibilidade ser restabelecida. Quando a poeira se dissipou, Torchic estava nocauteado e seriamente ferido, enquanto Houndour permanecia no mesmo estado de quando havia começado a batalha.

— Torchic! — gritou Sapphire, desesperada e já cedendo a ficar de joelhos no meio da rua onde os dois batalhavam.

— Eu estou farto de perder meu tempo com crianças — disse o rapaz com a voz em tom de fúria. — Vocês são medíocres, achando que são alguém porque conseguem vencer batalhas brandas disfarçadas de desafios e colecionar medalhinhas coloridas. Achou que fosse me derrotar porque confiou demais no seu Pokémon de baixo nível. Você e aquele pivete do Minun são iguais, dois merdas que se dizem treinadores.

Sapphire estava sem reação, seus braços trêmulos eram o que tentavam sustentá-la para que não caísse ao chão, mesmo que já estivesse de joelhos. Sua voz não saía, o nó em sua garganta não deixava.

— O que você achou que tinha a seu favor para ganhar de mim? — o garoto continuou. — Amizade? Acreditar em si mesma? Perseverança? O que vence batalhas é poder, é força! É isso que eu busco enquanto vocês, um rebanho de imbecis, insiste em continuar nesse conto de fadas que são as jornadas e o desafio da Liga Pokémon.

A garota enfim conseguiu se levantar, respirou fundo e dirigiu um olhar severo para o seu adversário, se é que ainda podia chamá-lo assim. Já começava a enxergá-lo como um inimigo.

— Acha que tudo se resume a poder? De que serve o poder se você só vai usá-lo para reprimir aqueles que são mais fracos? Você realmente vê alguma justificativa nisso?

— Eu vejo toda a justificativa nisso. Nossa sociedade se gaba de ser civilizada. Somos apenas travestidos de seres racionais, mas nosso instinto predatório é latente. Estamos apenas à espera de algum pretexto para nos libertarmos das amarras que a sociedade a nossa volta nos impõe e poder voltar a alimentar nossos desejos e instintos. Ou você caça ou é caçado. Eu e minha equipe nos cansamos de ser caça, e decidimos nos tornar caçadores. E um dia vamos caçar os degenerados que um dia ousaram nos caçar.

— Isso é a coisa mais absurda que já ouvi — Ruby sussurrou enquanto amparava Sapphire.

— Espero que você entenda que as coisas são assim na vida real, garota. Que isso sirva de lição para te mostrar que tudo que você tem feito até agora imaginando que era um objetivo de vida não passa de uma brincadeira infantil. Espero não ser mais importunado por escória como vocês me pedindo para batalhar. Já perdi tempo demais correspondendo aos anseios de gente que não merece o meu tempo.

O treinador ergueu um dos braços, sinalizando para seu Houndour que um novo ataque seria executado. O canino se postou pronto para avançar em Sapphire e Dan, aguardando apenas o comando que veio logo em seguida:

Fire Fang nos dois!

Mais uma vez Houndour foi bloqueado antes que o pior acontecesse, dessa vez por um Manectric que investiu na hora exata interceptando o ataque e afastando o Pokémon de fogo.

Quem o comandava era um homem já com certa idade, calvo de cabelos e barba grisalhos. Ele vinha andando firme e com um olhar sério na direção dos treinadores, com as pessoas em volta abrindo passagem ao vê-lo se aproximar.

— Ouvi dizer que tem um pessoal barulhento perturbando as pessoas por aqui — disse o velho.

— E quem é você pra se achar no direito de interferir na batalha? — o rapaz retrucou com agressividade. — Se quiser terminar como ela então entra na fila!

— Quem eu sou? Que bom que você perguntou. Eu sou Wattson, líder do ginásio dessa cidade. É bom você parar de bancar o rebelde, ou eu vou ter que te dar uma lição.

O garoto ao ouvir aquilo começou a gargalhar alto, e não parecia conseguir controlar o riso, estava realmente achando graça naquilo tudo. Foi então que ele se virou para Sapphire.

— Olha aí, seu super-herói chegou! Pede pra ele te ajudar. Vai treinar lá enfrentando ele pra ver se seu time fica um pouco menos vergonhoso!

O garoto se virou para Wattson com um semblante de puro deboche.

— Foi mal aí, velho! Eu poderia limpar o chão com a sua cara facilmente, mas já perdi tempo demais dando uma dose de realidade pra essa criançada. Tenho afazeres mais importantes. Vá cuidar da sua vida!

Antes que o garoto fosse embora, Sapphire o chamou uma última vez. Já sem paciência, ele se virou para escutá-la.

— Qual o seu nome?

O garoto fez uma expressão de incredulidade. Não estava esperando por uma pergunta daquela. Segurou o riso por muito pouco e respirou fundo.

— Você por acaso acha que isso é algum episódio de anime ou algo do tipo? E se eu disser meu nome, você vai dizer o que em seguida? “Vince, um dia eu vou te derrotar”! Francamente, você não acha que já passou vergonha demais pra um dia só?

Enfim o garoto foi embora. As pessoas que observavam o conflito começaram a dispersar aos poucos. Sapphire e Ruby não tiveram muito tempo para se lamentar naquela hora. Eles precisavam levar Torchic com urgência para o Centro Pokémon. Antes de saírem às pressas, Wattson segurou no ombro da garota.

— Eu vou com você. Vamos deixar seu Torchic sob os cuidados do Centro Pokémon e lá depois você me conta os detalhes do que aconteceu aqui.

Mais tarde naquele dia, Wattson estava sentado à mesa do refeitório do Centro Pokémon, com Sapphire e Ruby do outro lado. Eles escolheram a mesa mais afastada, aproveitando que o local não estava tão cheio, para que não fossem ouvidos.

— Desculpa tomar o tempo de vocês dois. Mas eu queria que vocês me respondessem qualquer coisa que sabem sobre esse garoto com quem vocês batalharam hoje cedo.

Sapphire permaneceu calada e cabisbaixa. Não conseguia manter a cabeça vazia para poder conversar sobre aquilo. Foi Ruby então quem tomou as rédeas da conversa.

— Nós estávamos por perto quando esse cara tentou atacar covardemente um treinador e Pokémon que ele havia acabado de derrotar. Sapphire interveio antes que ele conseguisse, os dois começaram a batalhar e se não fosse por você ter chegado a tempo a mesma coisa teria acontecido com ela.

— Fora isso vocês não têm nenhuma pista de onde ele pode ter vindo, não é? — o líder de ginásio cruzou os braços e fez uma expressão de lamento. — Entendo. Eu estou observando tudo de diferente que eu vejo acontecendo por aí. Nos últimos dias eu tenho sentido algo estranho com essa cidade, como se algo fosse acontecer. Sou nascido e criado aqui, estou com setenta e um anos e nunca me senti desse jeito. Tem algo errado acontecendo.

O homem se levantou para ir embora, mas antes de sair dirigiu a palavra a Sapphire uma última vez.

— Eu desejo uma boa recuperação ao seu Torchic. Eu vi que aquele garoto comentou sobre você ser uma desafiante da Liga, então quando estiver com a cabeça mais tranquila pode ir lá me procurar que eu vou aceitar seu desafio diretamente. Não vou te dar nenhum teste prévio como os outros líderes costumam fazer. Até lá eu recomendo que você tenha um bom descanso e deixe seu Pokémon com a equipe médica daqui, que eu te dou a certeza de ser uma das melhores de toda Hoenn.

Assim que Wattson foi embora Ruby e Sapphire saíram do refeitório para subir as escadas para o quarto que haviam reservado. No caminho até lá apenas silêncio. Ruby sempre foi do tipo que não gostava de barulho excessivo, por isso às vezes se irritava um pouco com o jeito cheio de energia de Sapphire. Mas aquele silêncio o torturava.

Ele sentia que parte da culpa era sua, já que não fez nada para tentar ao menos revidar o que aquele treinador havia feito com a amiga. E nem conseguiria. Se Sapphire não teve condições de vencer aquela batalha, o que o ele poderia fazer?

Os dois entraram no quarto. Sapphire já começava a caminhar em direção ao banheiro quando Ruby a segurou pelo braço. O menino se assustou ao perceber a atitude impulsiva, e imaginava que a garota acabaria brigando com ele como ela costumava fazer quando se sentia constrangida. No entanto, não se teve resposta. Ela apenas voltou seu olhar devagar para o garoto, uma expressão vaga de quem não tinha mais ânimo.

O silêncio se estendeu por mais alguns segundos. Ruby não sabia como dizer a ela o que estava sentindo naquele momento. A sensação de impotência também era dele, os dois estavam abatidos, mas de formas diferentes. Sapphire pelo choque de realidade, e Ruby por vê-la daquele jeito.

— O que houve? — ela perguntou. — Eu só vou tomar um banho e descansar um pouco, não tô com muita vontade de fazer nada agora.

— Eu sei que não posso te obrigar a ficar alegre depois do que aconteceu mais cedo, mas eu não gosto de te ver assim — o garoto começou a falar, ainda um pouco travado por conta de odiar se abrir para qualquer pessoa. — Mas eu quero que saiba que você é uma ótima treinadora. É normal ter coisas a aprender ainda, você começou sua primeira jornada há pouco tempo e mesmo assim já tem duas insígnias e realizou batalhas incríveis!

Sapphire se assustou com aquele sermão repentino. Ruby era uma pessoa fechada, muitas vezes ranzinza, cujos sentimentos eram difíceis de identificar. Não sabia onde ele queria chegar com tudo aquilo.

— Eu também sinto um pouco de culpa por não ter conseguido fazer alguma coisa — ele continuou. — E por isso eu prometo que vou treinar mais. Nós vamos treinar mais, quero dizer. Você ainda vai perder outras batalhas no futuro, isso é certo para todos, mas vai ficar forte para nunca mais ser derrotada dessa forma. E eu vou ficar forte também, porque se um dia você precisar eu poderei entrar na briga junto.

O sorriso dele era sincero, e de certa forma até reconfortante. Nem parecia mais o garoto mimado e resmungão que se recusava a comer berries recém-colhidas nas árvores da estrada. Sapphire retribuiu o apoio do amigo com um sorriso, ainda que tímido, mas que foi complementado por um abraço apertado. Se ela se sentia frágil naquele momento, deixaria que seu melhor amigo fosse sua armadura, pelo menos daquela vez.

— Valeu, Ruby — a menina agradeceu, ainda um pouco sem graça, quando os dois se soltaram. — Acho que se não fosse por você, e até pela Miriam no tempo em que ela ficou com a gente, eu poderia ter desistido antes de enfrentar a Roxanne.

— Eu digo o mesmo. Se você não tivesse caído no quintal da minha casa eu poderia te ver como uma visita qualquer, e não teria a vontade de sair de casa. Minha vida tem sido um tédio nos últimos anos, e achei que quando eu e minha família chegássemos a Hoenn ia continuar tudo igual. Não vou mentir que fiquei intrigado com sua aparição bizarra.

Os dois riram por um momento. Aos poucos o peso nas costas de cada um parecia sumir devagar, mas com alívio.

— A gente pode ver algum outro lugar na cidade pra visitar. É cedo ainda, não sei se você conseguiria dormir agora por mais que tentasse.

— Eu já tô melhor, mas tem uma coisa que eu ainda preciso fazer.

— O Torchic?

— É...

Tendo descansado do dia que se passou, Sapphire desceu até a ala hospitalar para visitar Torchic. Com a autorização da enfermeira ela entrou em uma sala onde alguns Pokémons estavam, alguns acompanhados de seus treinadores, outros descansando.

Seu parceiro estava em uma maca no canto da sala. Já parecia estar muito bem, passaria a noite em observação apenas para que houvesse a certeza de que poderia receber alta na manhã seguinte. A expressão da pequena ave não foi das melhores ao ver Sapphire, se virando com rapidez para a parede ao lado.

— Eu sei que você me odeia. Eu só nunca entendi o motivo. Sempre me esforcei pra ser uma boa treinadora, sempre tratei vocês da melhor forma que eu podia. Mas agora eu comecei a perceber que talvez não seja o suficiente.

Torchic voltou a observá-la, mas sem expressar nenhuma reação. O olhar continuava seco, cansado, mas pelo menos ele tentaria ouvir o que sua treinadora tinha a dizer.

— Eu acho que nunca parei pra pensar no lado de vocês. Te coloquei em risco hoje porque queria aquela vitória e não calculei a diferença entre a força dos adversários e a nossa. Mas agora sei que só uma parte de mim queria a vitória pra fazer justiça. Com o passar da batalha o desejo de vencer passou a ser voltado pro meu próprio ego, e você se machucou seriamente por causa disso.

Sapphire usou o braço para esfregar os olhos e ao mesmo tempo tapar o rosto para que Torchic não visse outras lágrimas escorrerem.

— Droga, eu odeio não conseguir me controlar.

A expressão de seu Pokémon ficou um pouco mais serena. A treinadora respirou fundo e se levantou de sua cadeira, já prestes a sair para permitir que seu companheiro tivesse uma noite de descanso.

— Eu só quero que você me ajude no ginásio de Wattson. Depois disso eu vou deixar que você decida. Se você não gosta de me ter como treinadora eu não quero te forçar a seguir viagem comigo ou gostar de mim. Mas uma coisa eu garanto — ela fixou seus olhos azuis no pequeno. — Se você me der uma chance e continuar junto comigo eu nunca mais vou permitir que algo assim aconteça de novo. Nem com você e nem com os outros.

Sapphire deixou a sala. Dan continuou encarando a porta que havia acabado de se fechar. Quando viu que ninguém o observava o Torchic esboçou um sorriso de canto, bem discreto.

— Essa humana idiota...

• • •

Roxanne havia acabado de finalizar uma batalha de ginásio. Seu desafiante, derrotado, foi embora pisando com força no chão enquanto a líder só o observava com um olhar de desinteresse.

Pouco tempo depois Steven entrou às pressas e se dirigiu até o local onde a mulher costumava ficar, o velho altar onde havia estátuas de Pokémons ancestrais. A julgar pela expressão de ansiedade no rosto do rapaz, Roxanne já imaginava que novidades tinham chegado.

— Pelo visto você descobriu alguma coisa — disse a mulher.

— Coloque um substituto temporário aqui no ginásio. Estamos indo para Mauville depois de amanhã!

Roxanne se surpreendeu com aquele comunicado repentino.

— O que houve?

— Tenho que resolver outras coisas agora, mas quando estivermos a caminho eu te explico. Mas desde já eu digo que devemos ir até lá, ou as coisas podem acabar ficando feias.

FIM DO CAPÍTULO 24

  


{ 10 comments... read them below or Comment }

  1. Adorei! Torchic que sabe leer estava lendo na maca do hospital.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Torchic mais culto que esse você não vai encontrar em lugar nenhum! O bicho Leer tudo que pode! :D

      Delete
  2. Yey bad boy apareceu!

    Que história é essa dos personagens repararem que os poke da Saphira não evoluem, deixa a menina em paz #torchicContraGroundon

    Senti que faltou uma cena na luta contra o badboy, algo como ele mandando o cachorro dar um fire fang no Dante e a garota lembrar que ele ia fazer o mesmo contra o minus pois o treinador não admitia a derrota, então ela desesperada soltava um eu me rendo, só para abalar ainda mais seu coração, depois seguia como para a conversa.

    O pau vai ferver em mawvile mal posso esperar para o 25. Até mais Shadow.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Já era hora de um rival mais barra pesada dar as caras. AEH tava muito tranquila nesse sentido. :v

      Você sabe que o Rubens repara em tudo, né. Que moleque chato! A Sapphire merece um prêmio por aturá-lo todos os dias, o dia inteiro.

      Essa cena não aconteceu por uma simples razão: a teimosia da Sapphire, a qual a própria reconheceu na cena no fim com o Torchic. Ela é orgulhosa demais para admitir que não tem como vencer, e pagou o preço por isso. Vamos ver se essa situação de hoje vai fazê-la repensar esse otimismo exagerado no futuro.

      Mauville só está começando! Ainda teremos muita coisa rolando até o fim da temporada. Que venham os próximos capítulos! õ/

      Delete
  3. RIVAL PUTAÇO MERMAO, novo personagem favorito de AEH fodase.

    Quem tem poder tem tudo nesse krai. Mas enfim, tirando o LINDO do Vince, esse vai ser um ponto importante na jornada da Shappire, vendo que n é nem um pouco fácil ser treinador e que n ta lidando só com máquinas ou bichinhos, e sim com seres vivos que no maior dos vacilos pode acabar morrendo por um comando errado.

    Espero a evolução da minha Shappirezinha, E QUASE QUE EU ACERTO, QUE COMECE O ARCO DA EVOLUÇÃO DO DANTE, vai ser o Combuswhat vai puto de Hoenn.

    Hypado pra esse final de saga meu parceiro, pode contar cmg pra oq precisar! Bjsss

    ReplyDelete
    Replies
    1. RIVAL OTÁRIO É O MELHOR QUE TEM! É QUEM MOLDA O CARÁTER DO PROTAGONISTA NESSA BAGAÇA!

      A Sapphy agora teve um choque de realidade com relação às suas capacidades como treinadora. Pelo que parece toda a estrutura da Liga Pokémon e seus ginásios são feitas de forma a não colocar os treinadores em situações reais de risco, o que trava seu desenvolvimento a longo prazo. Sapphire agora sabe que esse tempo todo ela esteve protegida pelo safe space que é a organização de uma competição oficial, mas o Vince chegou botando ela pra enxergar o que há além disso. De uma forma bem traumática, é verdade, mas talvez de outra forma não teria sido o suficiente para abrir os olhos da menina.

      Toda porrada que os protagonistas tomam se transforma em algo positivo em seguida. Vamos ver o que a Sapphire vai conseguir extrair dessa derrota humilhante. Bem, ainda nesse capítulo já deu pra notar que ela mudou sua postura como treinadora, e o diálogo com o Dan já deu as pistas do que pode acontecer daqui em diante.

      Estamos hypados para o fim da saga! Minha meta é terminá-la até Junho. Estamos caminhando bem até aqui. O especial do Wattson está vindo, e depois dele nada mais nos separa da conclusão da Omega Saga que vai abrir as portas para muitas tramas futuras.

      Valeu por ter vindo, China! Tô curtindo muito ter seus comentários por aqui.

      Até a próxima! õ/

      Delete
  4. Helloooooo!

    Momento de mudança, mesmo! Esse Vince veio para agitar as coisas e, por mais que ele seja um autêntico idiota, eu acredito que ele sirva como motivação para a própria Sapphire. Essa derrota serve como ponto de viragem para a treinadora, que agora coloca as suas decisões em causa. O que será que vamos ver a partir de agora?

    E quanto a esse lance de Steven e Roxxane? O que está a acontecer, meu deus??? Final da temporada, vem com tudo!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu nunca acreditei que rival amigável ajudasse muito na construção de um protagonista. O Wally é um bom rival, mas não tem como fazê-lo exercer essa função de rival imbecil com aquela personalidade pacífica dele. Então a gente vai lá e cria um otário malvadão kkkkkkkkkkkkkkk

      A Sapphire teve uma dura derrota agora, e isso coloca em xeque tudo aquilo que ela vem construindo como treinadora desde que saiu de Littleroot. No entanto, parece que ela vai conseguir tirar proveito dessa experiência negativa para localizar seus defeitos e trabalhar para corrigir um por um.

      Steven e Roxanne indo às pressas para Mauville! Isso só pode significar uma coisa. TEMPORADA ACABANDO COM EXPLOSÕES E PIROTECNIA! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Valeu pela presença, Angie! Até a próxima! õ/

      Delete
  5. Eu tenho uma memória bem vaga do Vince na Hoenn antiga, não sei se era Vincent, o que ele buscava, ou quantas vezes apareceu na história, mas pode ter certeza que não foi nem de perto tão marcante quanto dessa vez kkk O maluco já chegou com fogo nos olhos querendo derrubar o sistema, se dependesse só dele ele socava velho, mulher e criança pra garantir o rango dele de cada dia kkkkkkk Que personagem foda cara, valentões nunca saem de moda, ainda mais esses que fazem zoeira com o Poder da Amizade e encaram as coisas de uma forma tão extrema. Muitos costumam se esconder atrás de algum trauma passado, mas você está me fazendo tanto suspense pra cima dele que duvido que seria algo tão simples quanto um trauminha, tem coisa grande por trás...

    Ele deu uma pancada tão bem dada na Sapphire que, surpreendentemente, não estava merecendo. Comentei agora pouco em Johto e brinquei com o Dento que o Ethan tava precisando apanhar pra alguém como a Clair, mas a Sapphire ter de encarar um cara como o Vince logo de cara é pedir pra abalar o psicológico de qualquer um. Curioso como isso vai afetar a jornada dela daqui para frente, e eu diria até mais, isso irá contribuir muito para o Dan. O bicho já era revoltado, imagina a raiva que ele vai ir pra cima de todo mundo agora, esses dois prometem um embate épico na Liga! kkkkk Foi responsável por parte da Sapphire admitir a parcela de culpa dela nisso tudo, pois partir pra cima de um valentão sem ter certeza que dava conta da briga nunca é muito sensato (o Ruby não contava como reforço). E como na vida a gente nem sempre ganha, temos que escolher bem nossos embates. Ah, mas aguardo ansiosamente pelo momento que ela poderá chutar a porra toda, e merecido! Esses dois criaram uma rivalidade muito mais forte do "eu vou te superar", é uma questão de ideais agora.

    Ruby e Sapphire compartilharam algumas conversas muito fofas juntos, apesar de fazer tão pouco tempo que a Miriam saiu, é como se houvesse uma infinidade de situações novas que eles possam passar agora, e eu gosto da maneira como os dois cuidam um do outro e respeitam na hora que mais precisa. E o momento que ela chora na frente do Dan, maluco, ali foi pesado kkkkkkk E pensar que esses dois ainda têm tanto a percorrer, mas é como se na vida passada eles já tivessem seguido uma fic inteira por Hoenn, eles estão predestinados a ganhar e se foderem juntos. E agora tá na hora de arregaçar tudo haha Só mais 4 capítulos pra fechar a temporada meu nobre, tá na hora de pular pra corzinha azul! Um excelente episódio para outra vez deixar registrado que os Capítulo 24 estão recheados de rivais fodas e capítulos muito bem feitos. Grande abraço!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ele só deu as caras uma vez na AEH antiga mesmo. Quando a fic foi cancelada eu tinha um especial em construção entre ele e o Wally, ia botar os dois pra viajar juntos, olha só kkkkkkkkkkkk Eu não sei o que eu tinha na cabeça naquela época, ia ser uma dupla totalmente fora de contexto! Mas dessa vez eu realmente tenho umas coisas preparadas pro nosso revoltado favorito. Ele vai voltar a dar as caras e vai demorar menos do que você imagina. E o background dele tá montado também, espero que goste!

      Engraçado o que você comentou sobre a Sapphire não ter merecido tomar essa porrada. Na hora que eu escrevi eu tava achando que ela merecia mesmo, mas talvez meu ponto de vista no momento tivesse se confundido com o ponto de vista do Vince. Pra ele todos os treinadores fracos merecem uma boa surra combinada com um choque de realidade pra perceberem como o mundo fora das competições protegidas e voltadas para o entretenimento realmente funcionam. E agora refleti. Talvez a Sapphire não merecesse a surra, mas ela precisava. Melhor que seja agora, porque se deixar pra depois pode acabar sendo bem pior. Eu acho até que a derrota vai evoluir mais a Sapphire do que o Dan, essa porrada foi direcionada a ela. Mas é verdade que certas coisas na relação entre os dois vai mudar. O Dante tem os motivos dele pra não confiar muito em humanos, e talvez agora a Sapphire passe a dar motivos a ele pra enxergá-la como uma treinadora digna e confiável. Não sei nem se dá pra chamar isso de rivalidade. O que rola entre eles de cara foi uma inimizade mesmo. Sapphire não é tão protagonista clichê assim de compreender os outros e perdoar. Ela é orgulhosa, e até um pouco vaidosa, no que se trata de sua própria força. Aceitar que errou é diferente de aceitar deixar a derrota por isso mesmo. Ela ainda vai querer rasgar o Vince no meio no futuro.

      Eu acabei vendo a oportunidade de estreitar as relações entre Ruby e Sapphire agora. Com a Miriam fora de cena (até porque se ela tivesse junto ela daria um pau no Vince antes dele começar a humilhar a Sapphire), os dois vão precisar um do outro ainda mais, pois a treinadora mais forte do trio está fora de cena agora. É um dependendo do outro agora, e sabe-se lá o que vem pela frente.

      Sapphire e Dan é o duo completo de protagonistas. Se fodem toda hora, mas continuam tentando. Lá na frente eles com certeza vão chutar muitas bundas, e vai ter valido a pena tudo que estão passando agora.

      Falta pouco pra Omega Saga terminar. Eu não imaginava nem que seria capaz de chegar aqui de novo, por mais que eu sempre tenha dito que dessa vez voltei pra terminar essa história kkkkkkkkkk Quero terminar tudo logo e sentir aquela sensação de dever cumprido novamente. Vou voltar ao grupinho dos que terminaram uma temporada, me aguarde!

      Até a próxima! õ/

      Delete

- Copyright © 2013 - 2018 Aventuras em Hoenn - Shadow - Powered by Blogger - Designed CanasOminous -